quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Velha-Guarda

Mario Andretti é um exemplo de amor ao automobilismo. Em uma carreira longa - foram mais de 30 anos competindo regularmente em campeonatos com alto nível técnico, como a Fórmula 1 e a Fórmula Indy - e com muitas façanhas, o ítalo-americano conseguiu, por exemplo, o último título da Lotus, ainda na era Colin Chapman.

Entretato, o corpo começou a dar alguns sinais que a idade se tornara um entrave no desempenho do piloto, como relatou Emerson Fittipaldi:

"(...) o Mario treinava e corria muito de carro, o tempo todo ele estava treinando, em categorias diferentes, então ele achava que aquela preparação física para ele no treino, guiando o carro, já era o suficiente. Mas se você pegasse os últimos três anos da carreira do Mario, isso que eu sempre falava, para mim até foi um alerta com a idade que eu estou, o Mario, nos últimos três anos da carreira dele, classificava relativamente bem, algumas vezes inclusive segunda fila, primeira fila, terceira fila, dava a largada e começava a ficar para trás. Nitidamente dava para ver que faltava ali energia e gás para agüentar." (Emerson Fittipaldi, em 1994)

Neste ano, Michael Schumacher acertou seu retorno à Fórmula 1 e não pensa em parar depois dos três anos de contrato com a Mercedes GP; oportunidade para ver até que ponto conseguirá ser competitivo.

mario andretti - indy

2 comentários:

Marcelonso disse...

Bruno,


No caso do alemão não acredito que o peso da idade fará diferença,ele é de uma outra época onde o preparo fisico tornou-se obrigatório,e por tudo que vimos do cara,ele está em plena forma.

Que bela foto essa,Carl Haas e Paul Newman com Andretti.

abraço

F-1 A.L.C. disse...

isso que é comparação ao nivel de schumacher. um verdadeiro mito do automovilismo mundial falando de outro mito, conselho que pode servir para a terceira lenda