terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Destaque em Carro

Era bem claro no início de 1993, que a Williams mantinha sua superioridade entre as equipes de Fórmula 1, confirmada durante os treinos e na primeira etapa, na África do Sul.

A tática de Ayrton Senna era uma só - pois andar na frente era impossível: ficar próximo dos carros britânicos esperando uma oportunidade ou uma condição especial para tentar a vitória.

Foi justamente isso que aconteceu no Grande Prêmio do Brasil daquele ano.

A chuva veio na hora certa e ainda tirou o líder da corrida, o francês Alain Prost. Damon Hill encontrou dificuldades com o carro e Senna teve pista livre para vencer sua segunda corrida em Interlagos, para delírio dos torcedores.

Estes, invadiram a pista bem na reta oposta e não deixaram que Ayrton (e nenhum outro piloto), completasse a volta da vitória. Segundo o brasileiro, a Mclaren tinha um problema que em baixa velocidade, o motor sempre apagava. Sem o carro, e rodeado por fãs em polvorosa, Senna foi retirada e encaminhado ao Safety Car.

A bandeira seguiu firme em sua mão. Senna completou a volta até os boxes na janela do carro acenando para o público.

Momentos Ayrton Senna (160) Quebra de protocolo: festa em Interlagos

2 comentários:

Anônimo disse...

Bons tempos aqueles!

O Safety Car era um Tempra 16v, 'nacional' fabricado em Betim-MG... hoje em dia até o Safety Car vem na bagagem do Circo da F1...

um abraço,
Renato

Anônimo disse...

3 tempra...ai siim em