quinta-feira, 21 de maio de 2009

A fórmula dos descamisados

A Ferrari tinha um acordo com a FIA desde 2005. O direito a veto sobre novos regulamentos técnicos ou esportivos em troca do compromisso de disputar as competições organizadas pela entidade até 2012. No entanto, Max Mosley garantiu que essa convenção deixou de ser válida a partir do momento em que os italianos se juntaram à FOTA.

Assim, a briga foi parar no Tribunal de Grandes Instâncias de Paris, onde o juiz responsável rechaçou o recurso da Ferrari. O magistrado entendeu que a escuderia poderia ter exercido seu direito ao veto no Conselho Mundial da FIA. E não o fez.

Depois da derrota nos tribunais, a Ferrari, em nota, ironizou a entidade e as equipes que pretendem ingressar no mundial do próximo ano. "Olhando a lista, divulgada ontem em Paris, não se vê um único nome famoso. Wirth Research, Lola, USF1, Epsilon Euskadi, RML, Formtech, Campos, iSport são os nomes das equipes que devem competir com um regulamento diferenciado, proposto por Mosley”.

“Pode um Mundial," continuou o comunicado, "com essas equipes, ter o mesmo valor de hoje, com a Ferrari e com os demais times que ajudaram a criar este esporte? Então, não seria mais apropriado chamar esse campeonato de GP3? Esta é a pergunta que está sendo feita por diversos fãs em todo mundo".

Esta é a nova fórmula dos descamisados. E viva a democracia.

12 comentários:

Luís Augusto disse...

Não vejo democracia aí!
A FIA fez essa proposta maluca sem ouvir quem faz o esporte - as equipes. Uma barbaridade.
Há uns oito anos, o Tony George resolveu dar as cartas em Indianápolis de maneira unilateral e provocou uma enorme ferida na Indy, que até hoje não se recuperou totalmente, com a criação de duas categorias. Se o mesmo ocorrer na F-1, será um fim de uma era.

Gustavo disse...

Convenhamos realmente não faz nenhum sentido um campeonato mundial de equipes desconhecidas.

Ron Groo disse...

Se fosse aqui no Brasil ou o presidente da FIA fosse o Lula ele diria que este era o programa Bolsa Formula One, que nunca na história deste esporte as classes mais baixas tiveram tanto acesso a categoria.

Henry disse...

Felipão,
Lendo uns artigos do ano passado, vi que o caldo entornou a partir do momento que os construtores criaram a FOTA, fato inaceitável para os manda-chuvas Bernie & Max, que têm se revezado nos ataques à categoria.

Triste.

1abraço

Ingryd Lamas disse...

ahuhuahuahuahuauhahu groo arrazou!!!!

eu concordo com a declaração ironica, eem genero numero e grau
I mean, realmente a F1 perderá muito da sua graça sem tais equipes, históricas, são mais do que apenas equipes, são parte daquilo que adoramos hoje, um grid balanceado, com algumas equipes novas seria maravilhoso, mas não gosto de extremos, nenhum desses dois.
E dessa vez, apoio a ferrari


bjooooos

Felipão disse...

Valeu pessoal...

Luis,,, na verdade eu concordo contigo... eu disse em tom de sarcasmo... hehhehehe

Helio Herbert disse...

Melhor seria "Zerar Tudo" e começar de novo...

Luís Augusto disse...

Foi mal, Felipão, não percebi a sutileza...

Marcos Antônio Filho disse...

é brabo, essa politicagem toda enche o saco, e pelo o visto que vai se f..nessa história somos nós, os fãs da F1

oliver disse...

Cheguei atrasado.

hahahahaha



Mas fico pensando, não seria um retorno às origens ???

Uma liberdade maior para os engenheiros, que vão ter que inventar mais, criar mais, com um orçamento curto.

É pagar pra ver, inclusive se a Ferrari cumpre a ameaça.

Anônimo disse...

retorno às origens ???

na origem da fórmula 1 está a Ferrari, não a Epsilon Euskadi

F-1 A.L.C. disse...

pode até recomeçar a historia da F1 com novos nomes, mais a audiencia vai pro ralo. e isso ninguem quer.

imagino que uma vez encerrado o prazo de inscrição vai começar a verdadeira pressão