terça-feira, 7 de abril de 2009

O Candango

O Candango surgiu no Brasil em fevereiro de 1958 e teve vida curta, com produção encerrada em 1962. Tudo pela falta de capacidade de se fabricar a reduzida em quantidade satisfatória para atender a demanda.

Além disso, os militares não se interessaram pelo utilitário, o que provocou o fim do projeto.

No início, o formato de produção dos primeiros jipes, importados como kits da Alemanha, tornou-se motivo de piada.

A tradução dos planos de montagem ficou a cargo de um funcionário que trabalhava na seção de pintura, que entrou em desespero quando sobraram peças dos veículos.

Somente depois descobriu-se que os kits eram de jipes militares e as sobras eram de encaixes e suportes para armamentos. Ou seja, algo supérfluo naquela ocasião.

E coube a um glorioso Candango (foto), ano 1961, a honra de realizar a primeira travessia da Ponte Rio-Niterói, no dia de sua inauguração (em 4 de Março de 1974), carregando algumas autoridades militares.

Lembrando ainda que o nome do jipe surgiu de uma pequena confusão. Lançado na Alemanha como MUNGA (Mehrzweck UNiversal Geländewagen mit Allradantrieb ou, se preferir, Veículo de Campo Universal Multipropósito com Tração nas Quatro Rodas... Ufa), recebeu no Brasil o nome de, pura e simplesmente, Jipe DKW.

Entretanto, a Willys já havia registrado o nome "Jipe" e, por isso, a DKW batizou o modelo como Candango, em homenagem aos trabalhadores que ajudaram na construção de Brasília.

4 comentários:

oliver disse...

BELEZA, Felipe.

Grande recordação.

Teca disse...

Gamei nessa história aí, Felipão!

Beijos.

Ron Groo disse...

A história é boa, mas este provavelmente é o carro mais feio já produzido no Brasil.

Marcos Antônio Filho disse...

ótima história, mas concordo com o Ron, o candango é muito feio...