quinta-feira, 9 de outubro de 2008

And the winner is ...


ALBERTO ASCARI
1952 - 1953



A carreira de Alberto Ascari foi curta, mas muito densa em resultados.

Nascido em Milão, Alberto é filho de Antonio Ascari, um dos principais pilotos do período inter-guerra. Em 1926, quando liderava uma corrida no circuito Monthléry, sofre um acidente fatal. Alberto tinha 7 anos.

Ele começou em corridas de MotoGP antes de passar para as quatro rodas em 1940.

Enzo Ferrari é um antigo colega de seu pai. Alberto ganha um lugar na Auto Avio Construzioni e participa da Mille Miglia.

Em 1947 começou a disputar Grand Prix, ganhando uma corrida em 1948 e três em 1949. Portanto, a participação no Campeonato do Mundo era previsível.

A Ferrari não pode correr o primeiro GP da história por razões financeiras e Ascari começa em Mônaco. Ao escapar de um acidente que elimina 9 carros, Ascari termina em 2º lugar, voltando a ocupar a mesma posição em Monza. Termina a temporada em 5º.

Em 1951, a Ferrari está começando a ter supremacia sobre a Alfa Romeo. Após dois segundos lugares, Ascari ganha sua primeira corrida, em Nürburgring, voltando a vencer em Monza, colocando-se como um aspirante ao título. Mas um problema em Pedralbes deixa-o em quarto lugar na corrida. Ele é vice-campeão atrás de Fangio.

Em 1952 Fangio é vítima de um violento acidente, ficando temporariamente incapacitado de correr. A festa começa.

Ascari não participou da primeira etapa, na Suíça, mas é um dos poucos europeus a correr as 500 Milhas, quando elas integravam o Campeonato Mundial. Entretanto, os resultados decepcionam: 19 º no grid, abandonando na volta 40.

Então Ascari vence todas as 6 últimas corridas do campeonato, conseguindo o placar perfeito: 36 pontos em 36 possíveis, com um total impressionante de 53,5 pontos.

Em 1953, mais 5 vitórias em 8 possíveis (sem contar a Indy 500) e o segundo título.

Então a queda.

Ascari assina com a Lancia em 1954, mas teve de guiar Ferrari e Maserati antes do carro ficar pronto, o que acontecerá apenas na última corrida, na Espanha. Assim, sua participação no mundial de 1954 foi muito discreta e a única alegria do ano foi ter vencido a Mille Miglia com a Lancia, em 2 de maio.

Em 1955, com a Lancia D50, Alberto lidera as 12 primeiras voltas na Argentina. Em Mônaco, na 80ª volta, seu carro mergulha no Mediterrâneo. Escapa com poucas contusões.

Mas 4 dias depois, no circuito de Monza, não terá a mesma sorte. Durante os testes de um carro para Eugenio Castellotti, sofre um grave acidente.

Tal como o pai, ele morreu na idade de 36 anos, no dia 26. Os últimos números na carreira de Alberto Ascari.

6 comentários:

Teca disse...

Caramba!

Que história...

Beijos.

Fábio Andrade disse...

Moleques, esse seção "And Winner Is.." é uma das mais esperadas da semana. Sempre com uma pílula sobre um grande campeão da história.

Há um documentário aqui em casa em que o Moss fala sobre esse ícones do anos 50. Segundo ele, o Ascarí era genial, mas falta "um pelinho" para ele ser um Fangio.

De toda forma, esse italiano está no hall das lendas do automobilismo.

Ron Groo disse...

Ascari era o unico homem que poderia enfrentar Fangio de igual para igual.
E também foi o inspirador da cena do filme Grand Prix em que Pete Aron mergulha com seu BRM no mar em Mônaco.
E sua morte alguns dias depois em testes particulares em Monza parece que não teve testemunhas...
Oliver... Sou teu fã!

oliver disse...

Sem palavras.

VALEU.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Marcos Antônio Filho disse...

Ascari foi o último grande piloto italiano na F1.

Ah é,esqueci do Andrea de Cesaris

Show,Oliver,como sempre.