sexta-feira, 19 de junho de 2009

Acabou?

Ontem, Gerhard Bergher, que já foi piloto e dirigente de equipe, afirmou que a briga do teto orçamentário era um convite para as montadoras dizerem adeus à F1. Afinal, eram constantes as ameaças de debandada por parte de algumas escuderias, descontentes com a política totalitária da dupla Mosley e Ecclestone.

Entretanto, rumores davam conta que algumas equipes desistiriam da F1, independente das regras do próximo campeonato. Para se ter uma ideia da crise, a Renault, motivada pela perda do apoio de patrocinadores importantes, já anunciou a paralização da fábrica para o mês de agosto.

Até mesmo a Ferrari já teve sua participação na categoria colocada em xeque, por culpa de um período de crise enfrentado pela Fiat. Além disso, vão precisar de recursos para investimentos na Chrysler, um grande desafio assumido pelos italianos junto ao governo americano.

No mais, a Toyota sempre passou a impressão de profundo descomprometimento com o esporte. O histórico da equipe não lembra, nem de longe, o da montadora da qual se originou.

Seria essa a base de formação para um novo campeonato? Afinal, essas mesmas empresas, com exceção à Ferrari, possuem histórico de idas e vindas no automobilismo. Nos últimos dias, essas escuderias caíram, por diversas vezes, em contradição. Primeiramente, se mostravam contrárias ao regulamento com duas regras distintas. Acreditavam, acertadamente, em uma subdivisão prejudicial à categoria.

Com a confirmação de uma regra única para 2010, Mosley recuou. No entanto, fixou novo teto orçamentário, desagradando novamente as montadoras. O que é contraditório, já que as estruturas reclamavam, constantemente, dos custos elevados da manutenção de um time na categoria.

Isso só comprova que o racha aconteceu por pura vaidade dessas equipes, que não querem admitir incompetência ou problemas de caixa. Por isso, não acredito em categoria paralela.

Afinal, não existe espaço para duas categorias top de mesmo segmento. Como exemplo recente, podemos citar a cisão na Fórmula Indy, que motivou a criação da IRL e da ChampCar.

9 comentários:

De Gennaro Motors disse...

Felipão ! também penso que não havera a separação ! isso seria o FIM !

abraçO!

Loucos por F-1 disse...

Espero que isso tudo seja passageiro e as coisas se rosolvam logo, Felipão. A guerra política vai matando o esporte aos poucos e daqui um tempo vai tudo para o espaço.

Abraços!

Leandro Montianele

SAVIOMACHADO disse...

Estamos todos com o mesmo pensamento. Não dá para crer numa insanidade dessas.
Abraço Felipão.

F-1 A.L.C. disse...

mais a diferença da F-indy, aqui não houve uma divisão de equipe. todas as equipes foram embora, com exepção de dois, e uma nem conta.

agora, é claro que a Renault está tentando uma saida honrosa para evitar ficar pior para o preço das ações... e a Toyota, que tentou ganhar da saida de Honda, deve estar reavaliando a sua permanência na categoria para 2010

agora começam as verdadeiras negociações, sem prazos, com um pouco menos de circo.

Felipe Maciel disse...

Se sair do papel, serão duas categorias sangrando e se dizendo o top do automobilismo.

Imagina a F-1 com N. Technology, Manor, iSport, Force India, Superfund...

Parece que nada irá prestar no ano que vem.

Só sei que vou acompanhar as últimas provas desse ano como se fossem as últimas mesmo. As últimas de uma verdadeira Fórmula 1. O que acontecer depois deve ser duas categorias promovendo uma guerra de tiros no pé.

Cada um tem sua parcela de responsabilidade na história, mas para mim o Mosley cansou, pingou demais, chegou a gota d'água e as equipes não aguentam mais o tarado na presidência. Junte-se a isso a discutível divisão do bolo feita pela Ecclestone e a debandada se torna o caminho natural. Os times engoliram muitos sapos. Agora, simplesmente reuniram coragem para fazer o que estão fazendo.

Ylan Marcel disse...

Deu merda, só isso tenho a dizer...

Ingryd Lamas disse...

acho que não é passageiro, não ao ponto em que chegamos...
na mais otimista das hipótezes, com o campeonato paralelo criado, a coisa será estranha, fraca...
como um par de chinelos, separados, não servem pra nada...



bjooooos

Daniel Médici disse...

Bom ponto de vista, o qual eu não havia pensado antes. Mas na minha opinião, o automobilismo anda ameaçado e não é de hoje. Mas em todo caso, quero esperar passar um pouco o tempo para emitir uma opinião...

Teca disse...

Ainda acho que essa "novela" não terminou!

E concordo com seu relato, Felipão.

Beijos.