segunda-feira, 18 de maio de 2009

MotoGP

Homenagem ao "pouco espaço".

Pois a coisa foi mais ou menos assim.

O Valentino sempre gostou de comemorações pouco usuais em suas vitórias, e a Honda detestava isto.

O Valentino nunca abriu mão do seu número, 46, e a Honda queria que ele usasse o número um, do campeão.

Claro, o número um vende.

Mas, segundo o campeão, manter o número era um sinal de respeito para com a sua torcida.

As implicância só aumentaram e a Yamaha, num gesto ousado, fez a proposta:

- Não temos uma moto campeã, mas temos dinheiro e vontade de fazê-la. Te damos muita grana, a liberdade de comemorar e nenhuma discussão quanto ao teu número.

E Valentino foi pra Yamaha. E a Yamaha começou a ganhar da Honda. Ganhar bastante.

Com oito títulos mundiais ele já não é nenhum principiante, nem a Yamaha uma equipe inconsequente.

Então, contrataram a "futura" revelação: Lorenzo.

Quando o Valentino foi pra Yamaha, a Honda contratou um promessa, Pedrosa, e apostou todas as suas fichas. Apostou muito, muito mesmo.

Mas Pedrosa nunca correspondeu, e agora corre de "aviso prévio". Esta pode ser sua última temporada na Honda, e ele sabe disto.

Mesmo assim, ontem o Dovizioso deu um "pau" no Pedrosa.

Aqui é que está o "x".

Lembram da briga Valentino-Honda ???

Pois é, a Honda não esqueceu da cartada da Yamaha e anunciou publicamente:

- Queremos Lorenzo e vamos pagar por ele.

Claro, isto seria um golpe na Yamaha (coisa que a Honda quer).

Mas isto pode sair muito caro, porque Dovizioso é um TREMENDO PILOTO.

Já fez pela Honda, em sua 3ª corrida, mais do que o experientes pilotos da equipe conseguiram em todos estes anos.

Tirar Lorenzo da Yamaha e colocá-lo junto com Dovizioso é colocar dois grandes pilotos, com uma sede de se tornarem campeões, dentro da mesma equipe.

Isto dá briga.

Pelo jeito, a Honda trouxe pra Motogp toda a competência organizacional que já teve oportunidade de mostrar nas duas vezes em que participou da F1.

Incrível.

Isto é o que explica a corrida de ontem.

Valentino nunca se deu bem na chuva. Lorenzo sim.

Ontem choveu em Le Mans.

Lorenzo pula na frente, mas a pista está seca em determinados setores e os pneus de chuva (esta era a aposta) não aguentariam.

Valentino troca de moto (e de pneus), passando a usar os de pista seca e CAI.

Volta pros boxes para trocar a moto de novo e sai excedendo o limite de velocidade. É punido.

Uma corrida pro Valentino esquecer e pro valor do Lorenzo subir.

Acredito que o problema do Valentino, nestas alturas da vida, não é perder ou ganhar, mas é pra quem perder e de quem ganhar.

Ontem, doeu.

7 comentários:

Ron Groo disse...

A motoGP ainda tem tudo que a gente gosta. Grandes corridas, briga na pista e fora delas, mas entre pilotos e equipes, não dirigentes.
Ontem doeu, mesmo...

F-1 A.L.C. disse...

doeu mesmo. e lorenzo tem jeito de grande campeão

Felipão disse...

O oliver tinha que escrever sempre sobre a MotoGp. Texto brilhante...

Felipão disse...

hahahahahha

e essa do pouco espaço foi invenção do Kohara...

Tohmé disse...

Felipão, é inegável o crescimento do Lorenzo. Mas o Rossi sempre será o nº1 (46)

Helio Herbert disse...

Estou com o Tohmé,o Rossi já é um mito.

Hugo Becker disse...

Foi um passeio do Lorenzo. E o Rossi esteve irreconhecível, fez uma corrida antológica no sentido inverso da coisa. Terminou duas voltas atrás do companheiro de equipe, em último lugar. Mas ele é o tipo de cara que tem o direito de ter uma corrida dessas, por tudo que já conquistou.

Agora, só acho chato essa panela da MotoGP e das outras categorias menores, vc sempre sabe que, salvo alguma exceção MUITO grande, o campeão será ou um italiano, ou um espanhol. A coisa fica previsível, sei lá...

O Lorenzo é uma "futura" estrela, e é espanhol. Pedrosa, ídem. Agora aparece o Dovizioso, além do Melandri que fez uma ótima corrida em Le Mans. Italianos.