quarta-feira, 27 de maio de 2009

Admiração mútua

Durante reportagem publicada na revista britânica F1-Racing, em meados de 2005, Jenson Button revelou certa admiração por Rubens Barrichello, quando este ainda defendia a Ferrari.

"Lembro-me de Barrichello em Donington Park, em 1993", conta. "Eu tinha 13 anos e foi o primeiro GP de F1 que eu assisti no autódromo. Ayrton Senna venceu, mas recordo que a atuação de Barrichello foi a que mais me impressionou".

Hoje, os dois trabalham para a mesma equipe, a Brawn, nascida dos esforços de Ross Brawn e uma cooperativa de funcionários. E, assim como nos tempos de Ferrari, Barrichello volta a enfrentar um companheiro extremamente comprometido e motivado, que já conquistou cinco vitórias em seis corridas disputadas nesta temporada. Ao contrário dos tempos de Honda, quando Button transparecia ter abdicado de sua condição de eterna promessa.

Na mesma matéria, Button aponta a principal dificuldade de Barrichello: seu companheiro de equipe, simplesmente genial. “Agora, 12 anos depois, somos rivais. Ele continua sendo um grande piloto - e se Barrichello tem a chance de vencer, não a desperdiça. Só que Michael Schumacher é o seu companheiro e isso não é fácil", revelou Button à época.

Uma heresia, levando-se em conta que, depois de algum tempo, Button passou a se beneficiar do eterno escudeiro. Afinal, o inglês realiza uma temporada digna de Schumacher, enquanto Barrichello faz uma temporada digna dele próprio. O que não é mal, diga-se de passagem, para alguém que estava desempregado.

Porém, apesar dos desdobramentos da corrida de Barcelona, não existem mágoas. Em coluna publicada em sua página pessoal na internet, Barrichello faz questão de elogiar o trabalho de Button, que “surpreendeu a todos com uma volta fantástica” nos treinos para o GP de Mônaco.

"Muito provavelmente,” explicou Barrichello, “foi no vai-ou-racha, porém o seu momento é muito bom e ele conseguiu o que precisava. Ali ele já assegurava meio caminho para a vitória," garantiu.

Depois de reclamar do “graining” (o popular "macarrãozinho do pneu), que o atrapalhou na primeira parte da corrida, Barrichello voltou a ressaltar a atuação de seu parceiro: "Consegui ganhar tempo com relação ao Jenson, mas ele já havia aberto o suficiente para a vitória. O menino está demais e está de parabéns."

Palavras que ganham um grande valor quando ditas por alguém como Barrichello, reconhecido por sua franqueza. "Enquanto não consigo batê-lo continuo na minha humildade batendo palmas, mas tenho muita fé e trabalho duro para virar o jogo."

18 comentários:

Henry disse...

Felipão,
Todos reconhecem a fase fantástica de Jenson.

Com relação ao Rubens, estou tentando ver mais o seu trabalho nas pistas, filtrar seus depoimentos, entendendo o jeito Rubinho de ser.

Como piloto, há pouco que se criticar no trabalho do Barrichello, a questão é que Jenson está imbátivel, seja ele comparado a qualquer um dos 19 atuais.

1abraço

Marcos Antônio Filho disse...

Pelo menos o Barrica tá admitindo que não consegue alcançá-lo e não está falando que é apenas um brasileirinho...

Loucos por F-1 disse...

Jenson Button vive uma fase fantástica. O próprio Barrichello já admitiu que está complicado segurar o inglês. Gosto de ver esta troca de reconhecimentos no esporte, isso deixa a disputa mais limpa.

Abraço!

Leandro Montianele

Luís Augusto disse...

Acho que tudo isso é onda. Eles vão acabar brigando quando a Brawn oficializar Button como primeiro piloto.

De Gennaro Motors disse...

muito legal Felipão ! é bom escutar !

Bruno Santos disse...

Muito interessante este texto, Felipão.
Também reconheço o bom desempenho de Barrichello nesta temporada. Tem feito um bom papel, principalmete em prol da equipe. Jenson está numa fase muito boa, corre sem um grande adversário até agora e livre de pressão. Tudo isso, aliado com a motivação fazem dele um forte oponente.
Resta ao Barrichello bater palma mesmo e continuar trabalhando duro, uma hora ele acerta e quem sabe o jogo vire...
Abraços.

Ron Groo disse...

Eu não acredito em uma só palavra proferida pelo 1B, este cara é descaradamente mentiroso...
Basta lembrar sua entrevista ao Galvão Bueno:

GB: -Você é amigo do Schumacher?
RB: -Não... Nunca fui...
GB: -Mas na época você dizia que era... Era só pra fazer média?
RB: -É... Pra manter o clima...

Agora me vem com esta? Sei sei...

Ingryd Lamas disse...

Felipe, apaga o do groo aí em cima por favor???
huauhauhauhauha

Tem coisa mais bonita do que pilotos, u profissionais de qualquer ramo que seja que se respeitem???
Acho sensacional isso acontecer dentro de uma equipe, e mesmo se eles não se pronunciassem, é visivel, o respeito, e as vezes até carinho que um tem por outro.
Tenho entrevistas aqui, do começo da temporada, onde Button diz claramente que se continuou na F1 foi por "culpa" do Barrichello, que na ultima temporada, quando o ingles não tinha a menor vontade de correr, era o brasileiro quem o encorajava, dizendo que a "situação iria melhorar" e que por vezes até ligava para o ingles pra dar "forças". Sim, o maior problema de Barrichello e a matraca, mas acho que isso se deve ao fato de ser "sincero" demais, humano demais, talvez ele devesse ser mais máquina, programado, assim como é Massa, provavelmente teria evitado mais da metade dos problemas que teve.
E acho que não dá nem pra comparar, não sei vcs, mas eu nunca acreditei qd Rubens dizia que era amigo de Schumacher, tava na cara que nao podiam ser, mas com Button parece ser diferente, se não amigos, o respeito dessa vez mútuo, certamente existe.



bjoooos

Felipão disse...

Que maravilha de complemento, Ingryd. Mas o pior que o Groo tem razão. Anulou meu raciocinio da ultima linha,,, hahahah ele disse isso mesmo sobre o Schumacher...

F-1 A.L.C. disse...

aaah! o cara já ta mais serio, faz menos baraco e parece feliz de ser 1B... a não ser que haja uma clausula específica no contrato, para não mencionar o brasileirinho contra o mundo..

Henry disse...

Groo,
O lado das perguntas também tem que melhorar:

"Você ficou triste por que seu motor explodiu?"

"Você é amigo desse? Inimigo daquele? Aquele seu companheiro de equipe é esquisitão?"

Francisco J.Pellegrino disse...

Felipão, o 1B é um bom piloto, apenas isso. Ele ficará na história como o melhor segundo lugar de todos os tempos....o que não é pouco na Fórmula 1.

Helio Herbert disse...

Lí que o Rubens é o quarto maior pontuador da história da F1.

Helio Herbert disse...

Lí que o Rubens é o quarto maior pontuador da história da F1.

Teca disse...

Gostei da postagem, Felipão!

Segundo piloto, terceiro, ou quarto, isso não importa. Ele já fez alguma coisa pelo nosso automobilismo.

Beijos.

P.S. O outro blog tem uma velocidade de postagens impressionante, heim, Felipão? Não tô dando conta de ler tudo... ahahaha Lá é muito bom também!

Felipão disse...

hahahahah

eh mesmo, Tequinha...

Eu mesmo não dou conta... fica tranquila...

Paulo Maeda™ disse...

eu tb vejo apenas o lado "piloto" do Barrica, q eh um grande piloto e que merece respeito. As pisadas de bola dele fora do lance deixemos pra outra oportunidade. Legal essa admiração que o Button tem pelo Barrica, e eu não acho q ele vá se revoltar qdo Button for primeiro piloto. Afinal ele sabe mto bem pq uma equipe define o primeiro piloto e eh algo mto claro que ele não está tendo/fazendo esse ano...

Hugo Becker disse...

Sim. Finalmente uma bola dentro do Barrichello. Uma espécie de "toalha jogada", mas uma bola dentro.

Aprendi que na vida vc deve minimizar a expectativa das pessoas em torno de você. É muito melhor ser surpreendente do que ser frustrante.

Barrichello podia começar a temporada num tom mais modesto, dizendo que seria legal brigar por pódios para quem estava quase aposentado, e que o resto seria consequência. Tiraria pressão dos ombros e poderia até render melhor do que vem rendendo.

O que o faz parecer fracassado é a sucessão de vezes em que ele criou expectativas em torno de si próprio, a quem quisesse ouvir, e NUNCA correspondeu. Nunca surpreendeu.