terça-feira, 28 de outubro de 2008

Quem manda em Interlagos

Bernie Ecclestone, preocupado com o sucesso da Fórmula Indy no Brasil, fez o que bem entendeu com a pista paulistana no final dos anos 80.

O então administrador do autódromo, Chico Rosa, foi o único que lutou contra a destruição do traçado histórico.

"Você está matando o Retão e devemos preservá-lo para as provas nacionais" advertiu Rosa.

"Então fique com as provas nacionais. Vou fazer a F1 no Rio" retrucou Ecclestone.

A corrida, palco da quarta decisão consecutiva do mundial de F1, voltou para São Paulo e nunca mais saiu do calendário.

E o antigo retão, ao que tudo indica, irá desaparecer definitivamente, já que existem planos para construção de arquibancada fixa no local.

9 comentários:

Teca disse...

Então realmente haverá mudanças no traçado do circuito?

Conte-nos tudo e não nos esconda nada, Felipão!

Beijos.

Luís Augusto disse...

Ao contrário de circuitos como Nürburgring que, apesar de modernizado, preserva o seu traçado antigo (conhecido como Nordschleife) para os saudosos. Lá, inclusive, você pode alugar um carro de rua e fazer a Nordschleife com o pé embaixo, basta pagar o ingresso.

Daniel Médici disse...

Felipe,

Conversei com o Chico Rosa em setembro passado (gente finíssima, aliás). Hoje ele diz que admite que seu projeto para Interlagos, que consistia em um circuito de 4.800m para a F1 e que preservava o traçado original, talvez hoje estivesse obsoleto.

Era um projeto fantástico, e mantinha as curvas 1 e 2 originais. Mas justamente elas seriam rápidas demais para a F1 asséptica de hoje (por muito menos, a Parabólica de Estoril saiu do calendário). Uma pena.

Fábio Andrade disse...

Interlagos sofre um problema crônico de falta de espaço. Infelizmente não dá pra manter a pista antiga junto com a "nova."

Eu acho que até demoraram para ter a idéia de construir uma arquibancada ao lado da Descida do Lago (se é que estamos falando do mesmo ponto). É um ponto legal da pista, o pessoal vem embalado das duas pernas da Curva do Lago.

Pena que vão matar a reta do traçado antigo de vez.

Teca disse...

Felipão, vou abrir o jogo: venho aqui aprender com as postagens do blog, mas confesso que os comentários deixados pelo pessoal também são o que há.

Eita povo bem informado!

Valeu!

Virei sempre!

Beijos.

Gustavo disse...

Não seria necessário demolir a reta para colocar arquibancadas. Se o fizerem será realmente lamentável.
Coisas de Brasil.

Ron Groo disse...

Ecclestone definitivamente não gosta de corridas.
Muda tudo que é bom emn alguns circuitos, quer diminuir o tempo de corrida já para o ano que vem, pensa em padronizar motor... Este senhor definitivamente não gosta de corridas.
Esta mutilação que fizeram em Interlagos é prova disto.
Era um circuito desafiador como poucos no mundo. E hoje é esta coisa meia boca que tá la.
Bem... pelo menos esta lá e ao que tudo indica, vai ficando.
Quanto ao retão histórico. Vai mesmo ficar na lembrança. O lance de arquibancadas já é para o ano que vem.

Felipão disse...

Teca: Eu também aprendo muito com essa galera. O mundo blogosférico é muito rico. Ah, sim. Teca, não haverá mudanças no traçado, apenas haverão mudanças na infra estrutura do complexo.

Luis: É verdade, Luís. E poderiam ter conservado a parte antiga. Entretanto, Ecclestone tinha medo que fizessem alguma configuração para a Indy.

Daniel: Pois é, Daniel. E a maior preocupação eram exatamente essas curvas. Eu já havia ouvido algumas declarações, que os pilotos brasileiros iam bem em qualquer pista do mundo, pq Interlagos possuia características de muitas pistas da Europa, em um único circuito.

Fabio: Isso é uma verdade, Fabião. Se bem que os caras querem construir, além da arquibancada, uma espécie de museu naquela área. Acho que seria mais útil do que os restos mortais do antigo retão.

Gustavo: Pois é, Gustavo. Talvez eles estejam se baseando pela comodidade e pelos gastos também. Se bem que não tem mais jeito, a pista antiga morreu quando o Senna e o Ecclestone fizeram as mudanças na unha, riscando o próprio asfalto.

Groo: Ele só gosta de dinheiro. Nasa mais do que isso. E devemos lembrar que muitos comandantes, que obtiveram sucesso em algumas situações, foram os mesmos que levaram suas organizações ao declínio. Mustafa, do Palmeiras, que o diga...

Felipe Maciel disse...

Acho que a F-1 não sabe envelhecer...
O que é uma grande ironia, porque a categoria só sabe lidar com milésimos. Os anos passam e as coisas pioram.