quinta-feira, 1 de abril de 2010

Efeito retardatário

Quando foi anunciada a entrada de novas equipes na Fórmula 1, visando o aumento da competitividade entre os participantes, todos viram esse abertura com bons olhos. Enfim a categoria máxima do automobilismo teria um grid cheio depois de muito tempo.

Hispania e Virgin

As coisas foram acontecendo e hoje, após duas provas disputadas, o pensamento não é mais o mesmo. Um dos times que tinha sua vaga garantida, simplesmente desistiu e abandonou o barco por falta de dinheiro. O outro quase ficou de fora, mas na última hora confirmou sua presença. O resultado dessa desordem reflete na pista.

Em uma avaliação rápida, depois do GP do Bahrein e da Austrália, podemos constatar que ao invés de ajudarem no espetáculo, as novas escuderias estão atrapalhando. Isso ficou evidente no circuito de Albert Park. Por diversas vezes os carros mais rápidos eram atrapalhados por Hispania, Virgin e Lotus, que vinham mais lentas.

A diferença de performance é tão grande que o piloto Karun Chandhok terminou o GP australiano 4 voltas atrás do vencedor. Heikki Kovalainen, que é mais experiente, também tomou volta do atual campeão.

Com a proibição dos testes, dificilmente essas equipes conseguirão se desenvolver o necessário ao longo da temporada. O mais correto é afirmar que estes times terão lugar cativo nas últimas colocação.

3 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

imagino que parte da culpa é realmente de Mosley. tendo candidatas bem preparadas como a Prodrive e até a Epsilo Euskadi, deciciu-se por equipes que aceitaram usar o motor cosworth

por outra parte, as equipes estão ali mesmo pra testar, como declara a propria Hispanya.

dá pra ver que é falta de preparação e e tempo, a Lotus que tem um patrocinio interminavel (imagina uma equipe patrocinada pela receita federal em ano eleitoral) está melhor do que as outras

e se testasem aparte? com certeza perderiam os esquivos patrocinios, e com isso a posibilidade de concorrer em 2011

Mauricio Morais disse...

Acho que isso é passageiro, esse pessoal vai se firmar. Ninguém entra numa brincadeira dessas pra "brincar". É spó dar tempo ao tempo.

Marcelonso disse...

Leandro,

O começo é sempre muito dificil,apesar de contratarem gente do ramo,eles não tem base alguma.
Alguns projetos beiram o ridiculo como essa da Virgin no caso do tanque e também do pescador,outros é a falta de grana que impera.

Na real mesmo faltou um critério mais rigido por parte da FIA,só que agora Inês é morta,logo
o mais acertado seria a meu ver,liberar testes a vontade para esse povo!

abraço