terça-feira, 30 de março de 2010

Os bonés

O panorama atual da Fórmula 1 pode ofuscar aquele que existia em sua origem, há quase 60 anos. As equipes eram pequenas, o orçamento era curto e todos sujavam as mãos de graxa em busca do melhor desempenho nas pistas.

Com o passar dos anos, cresceu entre os dirigentes e pilotos, a visão que, além do automobilismo, a categoria poderia ser tratado como um negócio. Bem lucrativo, por sinal.

Se os carros eram estampados com pequenos adesivos das empresas que forneciam peças, combustível, pneus e óleos, começaram a dar lugar a grandes marcas de vários segmentos, que incorporavam ainda, seu nome ao da equipe de Fórmula 1.

Nascia assim, uma tendência predominante até hoje e bons exemplos não faltam: Texaco-Marlboro McLaren, Gold Leaf Team Lotus, Scuderia Ferrari Marlboro e a lista segue.

F1DataBase - Pódio - Espanha 1974  Regazzoni, Lauda e Fittipaldi no pódio com o boné da Goodyear

As cifras extrapolaram o imaginário dos precursores da categoria e as empresas que seguiam a fornecer materias fundamentais para as equipes foram perdendo espaço. As marcas de óleo e de combustívels ganhavam pouco destaque nas carenagens dos carros.

Nesse turbilhão de modificações, a Goodyear deu o pontapé inicial para uma nova tendência: o uso do boné no pódio.

Em tempos que a Fórmula 1 tinha diversos fornecedores diferentes de pneus, a idéia era ver os pilotos no pódio e evidenciar que todos usavam a mesma marca.

Em meio a tudo isso, na década de setenta, a Ferrari tinha os dois pilotos – Niki Lauda e Clay Regazzoni – com patrocínios pessoais da Marlboro. A empresa de cigarros, então, exigiu que seus contratados usassem o boné com sua marca no pódio.

O impasse foi resolvido por Enzo Ferrari em favor da Goodyear. Segundo ele, seus carros venciam as corridas com os pneus da Goodyear, e não com os cigarros da Marlboro.

O Comendador acertou parcialmente. Até o próximo ano, a Marlboro continuará com seu nome vinculado à equipe italiana e ajudando a financiar seus projetos com alguns milhões.

\AUSTRALIAN GRAND PRIX F1/2010 -  MELBOURNE 28/03/2010 Kubica, Button e Massa: reflexo da atual exclusividade da Bridgestone

Para o próximo ano, ainda não está definido quais marcas poderão ser vistas no pódio. Por enquanto, a Bridgestone já demonstrou a intenção de se retirar da categoria.

2 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

linda história! gostei. sempre me preguntei porqué os bonés de pódio são sempre vermelhos

Tamíres disse...

Passando para ler seus textos, como sempre. Beijo! ;)