domingo, 28 de fevereiro de 2010

Lances polêmicos marcam a carreira de Farina

Blogsport-Brasil, Setembro de 1950

No currículo de Giuseppe Farina, que disputa o título da Fórmula-1 nete final de semana, além das vitórias, constam algumas manobras controversas na pista.

Farina, na contramão, durante o GP da Bélgica do ano passado

O italiano ganhou, inclusive, a fama de arrogante, negligente e até mesmo cruel, tamanha sua capacidade de envolver-se em incidentes no automobilismo.

Nascido na famosa família Farina de construtores de veículos, ele se destacou como oficial de cavalaria, esquiador, jogador de futebol e ciclista durante a juventude, que coroou com um diploma de direito e um doutorado em economia política pela Universidade de Turim.

Quando ainda estudava, algumas especulações perspicazes na bolsa financiaram a compra de um Alfa Romeo 1500 de segunda mão.

Em sua primeira competição oficial, na subida do monte Aosta-Grand St. Bernard, terminou o dia com um ombro fraturado e cortes no rosto ao bater seu bólido em uma árvore.

Pode-se dizer que, naquele momento, marcou o padrão de toda sua trajetória. Com a conquista de resultados importantes, ganhou um lugar na Scuderia Ferrari e a proteção de um certo Nuvolari.

Mas havia um lado obscuro por trás de suas demonstrações de coragem e determinação. Na Argentina e no leste europeu, envolveu-se em acidentes que levaram dezenas de expectadores à morte.

A recusa em dar espaço para seus rivais foi um fator determinante para os acidentes que provocaram as mortes de Marcel Lehoux, no GP de Deauville, e de Lazio Hartmann, em Trípoli.

Houve ocasiões em que ele se comprotou como uma criança mimada. Depois da Guerra, ele andava irritado com o fato de que Jean-Pierre Wimille havia sido promovido a primeiro piloto da Alfa Romeo.

Extremamente orgulhoso, não aceitou a situação e deixou a equipe. Mas em um curto período de tempo, a Alfa perdeu todas as suas estrelas: Wimille e Achille Varzi em acidentes e o Conde Trossi de câncer.

A escuderia contava com poucos recursos para a disputa do primeiro Mundial e só lhe restou a alternativa de chamar Farina de volta.

Até aqui, o italiano de 41 anos ocupa a segunda colocação do certame, com vitórias na Grã-Bretanha e Suíça. Seu maior concorrente ao título e líder do Campeonato, o argentino Juan Manuel Fangio, de 39 anos, venceu mais provas, inclusive: Mônaco, Bélgica França.

2 comentários:

F-1 A.L.C. disse...

piloto de ferrari fazendo trapalhas na pista? tipo empurrar o concorrente pra fora da pista o bater na clasificação pra atrapalhar o tempo de outro? tomara que isso não vire costume...

Anônimo disse...

Desconhecia toda a formação de Giuseppe Farina! Ou seria Dr. Farina? Não é pouca coisa!!

Quanto aos incidentes na carreira automobilística, acredito serem, mais ou menos, comuns a outros grandes pilotos dessa época... Não é uma apologia ao 'mau-caratismo', apneas uma conjectura!

Se a Alfa Romeo, no ano passado, pudesse ter 'adivinhado' ou previsto a performance de Juan Manuel Fangio neste ano, teria contratado Farina? Ou a performance de Fangio é resultado do 'empurrão' do rival Farina? Taí uma boa questão!

Curiosidade: Pininfarina está relacionada ao Giuseppe Farina?

um abraço,
Renato